Logotipo do Lazer e Cultura
Educação

Dinheiro também é coisa de criança

22 de julho de 2013

Quando o assunto é dinheiro você pede para as crianças saírem da sala? Caso sua resposta seja sim, está na hora de rever seus conceitos. A educação financeira é essencial para o desenvolvimento pessoal dos pequenos. E, o assunto, abordado em algumas escolas, deve começar a fazer partes das conversas em casa também.

A pedagoga Amanda Castanheira mostra algumas formas de ensinar seu filho a lidar com o dinheiro e, especialmente, a enfrentar problemas financeiros.

Princípios básicos

Na escola, as noções matemáticas começam a serem passadas por volta dos seis anos de idade e esta é uma das melhores épocas fazer para começar o aprendizado. Em casa o cofrinho pode ajudar. "Ele ensina a criança a poupar dinheiro para um objetivo firmado e a exercitar a moderação financeira", ressalta Amanda.

Outra ferramenta muito utilizada pelos pais é a mesada. A atitude dá liberdade à criança, para que ela decida sozinha como utilizar a quantia, além de administrar o valor ganho. A idade ideal para começar a dar mesada é a partir dos oito anos, pois os pequenos já sabem fazer cálculos mentais e compreenderem as operações matemáticas.

"Essas habilidades permitem a utilização adequada do dinheiro", conta a psicóloga. A quantia variará de acordo com o orçamento familiar e só deve ser oferecida caso os pais tenham condições para isso. Nada de passar aperto, certo?

Tire suas dúvidas

·        Remunerar ou não seu filho por alguma atividade cumprida vai depender do trato que fizerem. Mas tente variar. "Recompense-o com algo diferente como um passeio ao cinema, uma tarde de piquenique ou algo que ele goste", ensina Amanda. Quando envolver dinheiro, use o bom senso e não ultrapasse os limites do seu orçamento.

·        Caso a família enfrente dificuldades financeiras oriente-o e controle-opara não consumir exageradamente. "A criança deve estar envolvida nessa mudança de rotina", explica.

·        Na hora de dar presentes fora de época tome cuidado para não estimular o consumismo na criança. Controle isso conversando com o pequeno. Alerte-o de que tudo tem seu tempo e valor.

  O desejo e insistência da criança por ter objetos que estão fora do orçamento da família são comuns e fica evidente na infância. Para solucionar o problema, estabeleça datas específicas para a aquisição desses itens. "Quando a prática é rotina da família, presentear esporadicamente, sem comprometimento, enriquece as relações e contribui para a educação financeira", finaliza a psicóloga.


Fonte: http://www.dicasdemulher.com.br/dinheiro-tambem-e-coisa-de-crianca/

Parceiros Relacionados



, , , /




, , , /




, , , /